Fabricante de caminhões prevê alta de 10% em 2010

O mercado de caminhões deverá se expandir mais de 10% em 2010, segundo projeções das montadoras instaladas no País. Uma das bases será o programa de incentivo do governo, que ajudou a impulsionar as vendas a partir do segundo semestre de 2009.

De acordo com projeções da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), no próximo ano, as vendas internas de caminhões devem ficar acima de 120 mil unidades. O volume é próximo ao obtido em 2008, ano em que foram licenciados quase 118 mil caminhões (se se contarem apenas os nacionais).

Segundo o presidente da MAN Latin America, que produz os caminhões e ônibus da Volkswagen, Roberto Cortes, em 2010 o mercado deverá recuperar o volume de 2008. “Hoje, já estamos operando em níveis pré-crise”, disse o executivo, lembrando que a queda em meses como dezembro do ano passado e janeiro deste ano foi de aproximadamente 50%. Para o fechamento de 2009, a melhora mensal dos fabricantes de caminhões, principalmente a partir do segundo semestre, garantirá uma retração menor do que a aguardada pelo mercado. A projeção é de que as montadoras de caminhões finalizem este ano com queda de 10% na comparação com o ano passado.

As medidas do governo federal foram fundamentais para a recuperação setor, diz o presidente da MAN Latin America. Segundo ele, as conversas com o governo estão sendo mantidas, assim como a monitoração do setor. No fim de novembro foi anunciada a isenção do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) para a venda de caminhões até o fim de junho de 2010.

“Se continuarem a retomada da economia e os incentivos do governo, essa trajetória do setor continuará e há chances de que em 2010 se recuperem os níveis obtidos em 2008″, disse Cortes. O mesmo otimismo é revelado pela fabricante Iveco. “A redução do IPI e redução das taxas do Finame e Procaminhoneiro colaboraram com a retomada das vendas de caminhões. Só para dar uma ideia do quanto essas medidas afetaram positivamente, hoje 80% das vendas da Iveco são feitas via financiamento” , disse o vice-presidente comercial e institucional da Iveco para a América Latina, Antônio Dadalti.

Enfatizando a importância das medidas do governo brasileiro, o vice-presidente comercial da Iveco lembra que é importante, além da isenção do IPI, a manutenção das atuais taxas do Finame. “O retorno do imposto diminui em cerca de 5% o preço dos produtos, e as novas taxas de Finame que atualmente trabalham com juro anual de 7% voltariam aos 13%. Um valor alto que desmotiva a compra dos produtos pelas empresas e por autônomos”, explicou o executivo.

Exportações

No acumulado do ano até o fim de novembro, as vendas de caminhões registravam baixa de 14,9% na comparação com as do mesmo período de 2008. Em relação às exportações, na mesma comparação, até o fim de novembro, queda foi de mais de 70%.

Fonte: www.intelog.net

Etiquetas: , , , , , , ,

Comentar

Tem de ter a sessão iniciada para publicar um comentário.