Excesso de carga não traz ganho e sim prejuízo

Alerta é do diretor técnico da NTC&Logística, Neuto dos Reis .

Conduzir um caminhão com sobrecarga é uma infração considerada média pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Se o motorista for flagrado, paga R$ 85,13, com um adicional que varia de acordo com a quantidade de carga que está acima do limite. A penalidade pode ser de até R$ 53,20 para quem está transportando um excedente superior a cinco mil quilos. Além disso, o caminhão fica retido até que seja providenciado o transbordo da carga.

Mas esta prática representa muito mais que uma violação da lei, ou um ganho adicional no frete. Significa um risco adicional para o motorista e o proprietário, para outros usuários da rodovia, danos ao caminhão e redução da vida útil do asfalto.

Além disso, conforme o diretor técnico executivo da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística), Neuto Gonçalves dos Reis, a atitude cria uma condição de concorrência desleal: “O caminhoneiro leva uma lotação maior pelo mesmo preço, fazendo o frete baratear. Mas ele não conta o aumento do custo operacional, porque se você aumenta, por exemplo, 20% da carga em um eixo, isso dobra o efeito sobre o pavimento”. Ou seja, no final, o que parece ser vantagem reverte em custos adicionais com a manutenção do veículo, dos pneus, com o consumo de combustível, com as estradas mais esburacadas e com a redução da vida útil do caminhão.

Fonte: Frota e Cia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentar

Tem de ter a sessão iniciada para publicar um comentário.