Projeto Brasil-ID diminui o alto risco no transporte

As Secretarias de Fazenda Estaduais e a Receita Federal, representados pelo Encontro Nacional dos Administradores Tributários (ENCAT) e pelo Centro de Pesquisas Avançadas Wernher von Braun, com o apoio do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e do FINEP,  apresentam os primeiros resultados da implementação de projetos piloto do sistema “Brasil-ID” para iniciar, em cadeia nacional, o Sistema de Identificação, Rastreamento e Autenticação de Mercadorias.

O Brasil-ID, organizado pelas Secretarias de Fazenda dos Estados da União, Receita Federal e Ministério da Ciência e Tecnologia, incorpora os conceitos dos Documentos Fiscais Eletrônicos, como a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), o Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) e o Manifesto de Documentos Fiscais Eletrônicos (MDF-e), utilizando um conjunto de soluções tecnológicas dentro de uma padronização para reduzir os riscos associados à fabricação e à logística de transporte de mercadorias que circulam pelo país.

Para a implementação oficial do projeto em todo o país, o Governo Brasileiro, por meio do Ministério da Ciência e Tecnologia e da FINEP, está investindo mais de R$ 20 milhões em testes de implementação pilotos e desenvolvimentos tecnológicos que viabilizam a prática de utilização de soluções tecnológicas modernas no âmbito internacional e, também, a independência tecnológica nacional relacionada ao fornecimento dessas soluções, sem a necessidade de importação de equipamentos.

O projeto é coordenado pelo Encontro Nacional dos Administradores Tributários (ENCAT) e pelo Centro de Pesquisas Avançadas Wernher von Braun. As implementações-piloto serão conduzidas através de corredores que passam por 16 Estados da União, por dezenas de empresas nos vários estágios da cadeia logística e em alguns segmentos mercantis. Participam ainda do projeto outras instituições de pesquisa e desenvolvimento. Com a estruturação de serviços de rastreamento e verificação de autenticidade de mercadorias é possível promover a segurança e a otimização do comércio e circulação em cada um desses Estados.

O sistema é baseado na tecnologia de Identificação por Radiofrequência (RFID) e em tecnologias associadas de telecomunicação, definindo um padrão comum para o rastreamento e a autenticação de todo tipo de produto em circulação pelo país. O objetivo do Governo é oferecer à empresa contribuinte nacional e ao cidadão consumidor uma ferramenta para a segurança do transporte de mercadorias, que diminua o risco e, portanto, o custo final no mercado.

O sistema possibilita a fiscalização mais ágil de cargas (inclusive as lacradas), a leitura automática da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e das notas fiscais na indústria e em toda a cadeia de distribuição, além das informações gravadas ao longo de todo o ciclo de vida do produto, que também ficam disponíveis a qualquer hora e em qualquer lugar, através de dispositivos e de comunicação sem fio. Estes podem ser usados em postos fiscais, pelas empresas de transporte, distribuidores, indústria e até pelo consumidor final.

As identidades das mercadorias ficarão gravadas e disponíveis, e o histórico dos eventos de passagem será gravado no próprio produto, de forma segura, a cada elo da cadeia de suprimentos. Assim, será possível saber suas rotas, as possíveis tentativas de fraude, os desvios (roubo ou furto), o tempo de trajeto, os custos associados, o monitoramento e as transações, tudo em tempo real, através do sistema de gerenciamento central e também pela leitura do próprio produto, que acusará esses eventos.

Fonte: Web Log

Etiquetas: , , , , , , ,

Comentar

Tem de ter a sessão iniciada para publicar um comentário.